O perfil de quem atua no setor da Medicina Veterinária e Zootecnia em Roraima tem mudado. As mulheres já alcançam quase a metade dos profissionais registrados no Estado. Dos 292 inscritos e atuantes no Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Roraima (CRMV-RR), 134 são do sexo feminino e a maioria trabalha no território roraimense.

Estudos revelam que as mulheres Veterinárias e Zootecnistas, de forma geral, apresentam atitudes mais positivas ou de cuidado em relação ao bem-estar animal e aos direitos dos animais.

A mulher tem quebrado preconceitos tanto na Medicina Veterinária quanto na Zootecnia em Roraima. O aumento do número do sexo feminino nesses cursos se mostra constante. “Antes imaginava-se que eram profissões só do gênero masculino. E elas vieram, de maneira corajosa, conquistaram espaço no mercado de trabalho e mostraram conhecimento e competência, avalia a Médica Veterinária e Secretária Geral do CRMV-RR, Yeda Suely de Souza Rodrigues

NOVOS PROFISSIONAIS

Segundo informações da Coordenadoria do curso de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Roraima (UFRR), no ano de 2019, o curso de Medicina Veterinária apresentou 27 formados, desses, 22 do gênero feminino. Em maio está previsto a formatura de mais profissionais, 10 homens e 15 mulheres.

As mulheres apresentam um aumento constante também no curso de Zootecnia. Conforme a Coordenaria do curso da UFRR, no quadro atual de estudantes ativos 55,5% são ocupados por mulheres. 

Atualmente o curso de Zootecnia é avaliado como uma profissão próspera e de muita importância para o desenvolvimento econômico, sustentável e social do país.

NO PAÍS

Desde a década de 1970, o número de mulheres na Medicina Veterinária aumenta progressivamente, no Brasil e no mundo. Segundo dados do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), dos 148.037 Médicos-Veterinários atuantes no Sistema CFMV/CRMVs, 53% são mulheres (79.858), enquanto entre os 9.204 Zootecnistas atuantes, o público feminino ocupa 32% do mercado. Hoje, 144 mulheres ocupam cadeiras nas diretorias e conselhos deliberativos no Sistema, cenário inimaginável há dez anos. Dessas, sete são presidentes de regionais.

Para Yeda, os números confirmam a importância e influência delas no mercado de trabalho. “Seja no campo, nas clínicas, nas indústrias, no trabalho administrativo ou político as Médicas Veterinárias e Zootecnistas não medem esforços para valorizar as classes e contribuir para o crescimento econômico do país”.

ORIGEM DA COMEMORAÇÃO

O Dia Internacional da Mulher é uma data comemorativa que foi oficializada pela Organização das Nações Unidas na década de 1970. Essa data simboliza a luta histórica das mulheres para terem suas condições equiparadas às dos homens. Inicialmente, essa data remetia à reivindicação por igualdade salarial, mas, atualmente, simboliza a luta das mulheres não apenas contra a desigualdade salarial, mas também contra o machismo e a violência.

Assessoria de comunicação do CRMV-RR